segunda-feira, 26 de novembro de 2007

O Circo de Soleil é o máximo: há quatro meses, quando resolvi comprar os ingressos, fui movida mais pela curiosidade do que pelo gosto por circos. Fui surpreendida por um espetáculo lindo, altíssimo nível, um luxo radioso de sensações. Após duas horas e meia eu ainda queria mais. Valeu cada centavo dos 150 reais do ingresso. Se você não conhece vá, se acha caro a brincadeira (e é mesmo, pq envolve além do ingresso, a passagem aérea pra quem mora fora do circuito de apresentação do circo, além de um hotelzinho pra pernoitar), compre o dvd. O figurino impecável, a iluminação perfeita, a interação com o público te fazem esquecer do mundo lá fora. Agora estou inquieta imaginando uma coisa: se o "Alegria", que é itinerante, já foi fantástico, com uma tecnologia impressionante, imagino como devem ser os espetáculos fixos do circo em Las Vegas, em especial o aquático "O". Taste Vin: aproveitando a estada na capital mineira saímos pra jantar. O escolhido foi o francês Taste Vin, premiado como o melhor restaurante de BH. A especialidade? Souflés deliciosos, fofinhos, divinos e calórios rs... Não há dieta no mundo que resista a um souflé de queijo gruyère, com camarão e champignon. As trufas após o café expresso encerraram a orgia gastronômica com chave de ouro. Tarefa de gincana: para confirmar a total loucura das mulheres por compras, o domingo começou cedo com a feira de artesanato. Formigueiro de gente carregando sacolas e se preparando para o Natal. Não consigo escolher coisas no meio de uma multidão brigando por um espacinho entre as barracas. A minha sorte foi ter tido uma companheira de viagem que tem olho de águia e consegue identificar combinações perfeitas e chiques no meio de uma infinidade de possibilidades. Então ... da viagem valeu muito a pena e eu faria de novo: o circo do sol, o souflé do Taste Vin, a loucura do Mercado Central. O que eu não faria novamente: sair sábado à noite em BH, querendo balada além de um boteco arrumadinho (contrariando aquele gordinho sertanejo, claro que há lugar melhor que BH). O que eu não farei nos próximos 15 anos: ir à feira da Afonso Pena às vésperas do Natal e nem ficar num hotel mequetrefe no centro da cidade.

5 comentários:

Ana Clara disse...

OI,
sou de BH,mas estou morando em outra cidade... e vc tem toda razão: existem sim lugares melhor que BH e achar balada boa no sábado à noite é impossível para os belorizontinos. Ah, e Feira Hippie (como é conhecida) em véspera de Natal é quase que um preparativo para histeria coletiva.
Mas apesar das minhas reclamações, a cidade ainda tem seu charme.
Parabéns pelo blog.

Terapia Coletiva disse...

Obrigada pela visita Ana Clara.

Playmobil Falante disse...

Você comprou o chá emagrecedor de 30 ervas? Se não comprou a viagem não valeu! hehehe
Fui ao circo este final de semana e agora tenho que conviver com
dois novos dramas:

1º - meu marido quer ser trapezista;

2º - ele também quer um cavalo amarelo igual ao do palhaço.

Beijos

Terapia disse...

Hahahaha, adorei os novos dramas. Se pensar bem, pra ser trapezista tem que treinar muito pra ficar com aquele corpão. Não seria má idéia. Quanto ao cavalo, só lamento, rs ...Ele não combinaria com a decoração da sua sala. Eu saí de lá com vontade de ser aquelas japinhas origami que cabem dobradas dentro de uma caixa de sapato. Bjks.

Playmobil Falante disse...

Fiquei pensando: será que elas menstruam?