segunda-feira, 27 de dezembro de 2010

Estou envolvida com a obra do apartamento, festas de fim de ano, família e viagens. O tempo tá curto, então entrarei de recesso no blog. Voltarei em janeiro para contar das minhas andanças. Beijos e Feliz 2011!

quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Teatro para todos
Aproveitando o período de descontos do Teatro Para Todos, andei assistindo peças bem bacanas. Tango, Bolero e Tcha Tcha Tcha traz a imperdível Márcia Cabrita, no papel de empregada e Edwin Luisi de travesti, impecável! Já Pterodátilos aborda temas como alcoolismo, violência e abandono, tendo uma família rica como pano de fundo. A cereja do bolo é o Marco Nanini, que interpreta a filha, Ema (formidável) e o pai, Artur. Diferente de tudo que eu já vi até hoje, um humor ácido e agressivo. As duas peças estão no shopping da Gávea.
Árvore itinerante
E a árvore de Natal da Lagoa, heim? A mesma coisa dos anos anteriores: trânsito, carros estacionados nos canteiros, lixo espalhado no chão. Eu acho que tinha que ter revezamento dessa árvore. Um ano na Lagoa, outro no canal de Marapendi, na Barra, outro ano no piscinão de Ramos, e por aí vai.

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Música da minha adolescência:  e depois de muitas tentativas, nossos ingressos do U2 foram comprados! Já passava de uma da madrugada quando recebi a notícia da compra efetuada. Por causa do  Bono eu passei o dia com sono. Como todos os ingressos estão esgotados, já anunciaram nova data. É incrível, as pessoas querem assistir, estão dispostas a pagar, ficam horas pela madrugada tentando comprar ingresso em site porcaria e tudo bem. O serviço é ruim, a taxa de conveniência é alta e fica tudo por isso mesmo. 
Mais furada pela internet
Desta vez eu resolvi fazer compra de supermercado pela internet. Nem preciso dizer que veio coisa errada, verdura murcha (alguém mais compra verdura pela internet?), produtos em falta substituídos por outros de marca desconhecida... Acho que está quase na hora de comprar um sofá à distância (piada interna).

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Francamente ...
Eu tenho um novo refrigerador, que mora na portaria do meu prédio. Ele é bonito, de inox, fofo, foi entregue ontem, mas a porta não é removível, e ele não cabe no elevador. Daqui a pouco irei visitá-lo na portaria. Definitivamente, eu não tenho problemas. Fiz uma compra errada no Compra Certa. Nem um trocadilho barato desses salvará este post.

* Atualização do post: a geladeira subiu os dez andares que separam o térreo da minha cozinha. E com ela, 4 boas almas carregando a boneca pela escada. 

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Enquanto isso ...
E já que não posso sair de casa, vou aproveitando para fazer laços para a árvore de Natal, escolhendo os belisquetes que farão parte da ceia, etc ... A seleção dos sabores dos canapés, vol au vent e afins é motivo para uma reunião. Por isso a casa dos pais é legal, os assuntos aparentemente sem importância no nosso dia a dia corrido, viram a pauta principal.

Como uma deusa?
Eu me olhei no espelho hoje e concluí que eu estou a cara dela! Meu Deus, que fase ... Só me resta sair cantando aquela musiquinha batida pela casa. Espero que a drenagem faça logo efeito e que meu rosto volte ao tamanho normal logo. Eu sei que eu não posso reclamar, fui eu que escolhi fazer  um upgrade no rosto, mas eu já falei 537 vezes que essa foi a última (será?).

domingo, 21 de novembro de 2010

 E aproveitando uma semaminha negociada no trabalho, vim para Vila Velha cuidar um pouco de mim. Estou "debaixo da asa" da mamãe, sendo paparicada pelo papai, que há 3 meses eu não via. Assim, eu ainda acabo perdendo essa herança ;-) Enfim, ficarei a semana por aqui, me recuperando de uma pequena cirurgia. Eu já fui mais corajosa para anestesia geral. Boa semana!
Nesta semana recebemos a visita do meu irmão mais novo (e cunhada) e fomos ... adivinhe? Ao teatro! O monólogo "Não existe mulher difícil" é imperdível. Além de ser super engraçado, o preço do ingresso é ótimo (considerando o que se paga em teatro, R$ 30 de inteira é uma merreca) e, para as moçoilas de plantão, vale a dica de sentar na fileira da frente e correr o ''risco'' de ganhar um abraço do Marcelo Serrado. Eu ganhei, fiquei estática do lado do marido com o cara jogado em cima de mim, durante a interpretação de um bebum carente. Divertidíssimo! A peça está no Teatro Leblon, sala Tônia Carrero, de sexta a domingo.

quarta-feira, 17 de novembro de 2010

Terapia quebra pedra
Hoje, na hora do almoço, fui a três cartórios no centro do Rio. Eu estava de sapatos bem altos, como de costume e andei demaisss (por que ainda não tomei a iniciativa de colocar sapatilhas dentro da bolsa, para trocar nesses momentos?). Paguei uma fortuna nos cartórios (não é novidade) e de estacionamentos pela cidade, para resolver documentação da casa. Compra uma, vende outra, loucura. No meio disso tudo, um tiroteiozinho na Av. Rio Branco, deixando o centro da cidade mais frenético. No final do dia, depois de uma consulta médica para arrematar o final de tarde, nós, meu irmão e cunhada nos jogamos em um restaurante japonês para relaxar. P.S.: Ah, falei com meu pedreiro pelo telefone e uma parede já foi para o chão. Preciso pagar uma caçamba de entulho e novos encanamentos ;-)

segunda-feira, 15 de novembro de 2010

Nesta semana a vida deve ficar um pouco mais tranquila no trabalho, assim espero. Amanhã repasso o trono pro rei, que estará de volta. A vida pessoal é que anda agitada. Muitas idas a bancos, assinatura de contratos, mudanças a vista, tocando uma reforma grande na nova casa, trocando todos os revestimentos, derrubando paredes, lidando com pedreiro, arquiteta, novos ares, novos probleminhas para resolver, mas eu adoro obra!  Principalmente porque não estou morando nela! Nossa Senhora da Construção Civil que nos proteja! E que os prazos sejam cumpridos (a esperança é a última que morre, rs). Vocês acompanharão essa novela. Outras coisinhas pra contar nos próximos dias, mas vamos por partes. Beijos e boa semana.
Etc e tal ...
De tanto gostar de teatro, shows e cinema, de vez em quando a gente escolhe mal e se mete numas roubadas que nem merecem tanto destaque. E foi assim com "Escapada", do Festival Panorama. Ganhamos ingressos para ver o espetáculo de dança contemporânea no Teatro João Caetano, numa segunda-feira. Não consegui ficar até o final. Outra bola fora foi "Um parto de viagem", do mesmo diretor de "Se beber, não case". Como diriam os capixabas, achei palha! Para compensar, assistimos "Minhas mãe, meu pai" com as ótimas Julianne Moore e Annette Bening. Falando em filminhos, neste feriado fomos presenteados com uma virose que nos derrubou. Só nos restou ficar de molho em casa, tomando sopinha e assistindo "Sex and the city 2" no dvd.

domingo, 7 de novembro de 2010


MOMIX
Os dez bailarinos-acrobatas, que integram o corpo de dança da famosa companhia americana Momix, estão no Brasil para apresentar o espetáculo "Botânica". A peça, que mistura dança, teatro e acrobacia - além de dar um show de efeitos visuais, com projeções, jogos de luz e sombra -, pretende mostrar a importância do equilíbrio ambiental no planeta. O espetáculo, que já passou por Ribeirão Preto e Curitiba, fica no Teatro Municipal do Rio até neste domingo. Bacanérrimo! Vale muito a pena!
Em busca do psicotrópico perfeito

Meu gerente foi ali em NY passar férias e estou de figurante de gerente há uma semana. Deus do céu ... e eu só queria sombra e água fresca. Enquanto isso, um teatro aqui, um psicotrópico ali, vamos levando. Na correria, eu esqueci do aniversário do meu querido amigo Sergiones, leitor assíduo deste blog. Parabéns! Nesta semana completo 29 anos pela oitava vez. Viva a tecnologia estética! Ok, ela estica o rostinho mas não melhora a memória. Beijos e bom domingo.

quarta-feira, 27 de outubro de 2010

Às vezes, tenho dificuldade de entender a pedagogia divina atuando.

domingo, 24 de outubro de 2010

Reflexão dominical

Expressão antiga, “ganhar no grito” significa o ato de se sobrepor ao outro através da imposição da voz ou da insistência com as mesmas palavras (convencimento). Essa situação geralmente acontece quando não há meios mais eficazes de alguém atingir seu objetivo. No mundo animal, há o exemplo dos gorilas, onde quem berra mais alto pode vencer um duelo e ficar de chefe do bando sem haver luta corporal.

Entre a impulsividade e a passividade existem muitas alternativas de solução de conflitos e formas de demonstrar a insatisfação. Vamos pensar, quantas vezes o grito nos ajudou a ganhar alguma questão? Ser impulsivo é muito diferente de saber se defender, responder rapidamente ou argumentar em momentos específicos e com equilíbrio.

A carga de adrenalina que jogamos no sangue justifica o ganho? Se ainda assim, houvesse só o 8 ou o 80, se eu tivesse obrigação de escolher entre a paciência católica (budista, espírita, whatever) e a sangria desatada e impulsiva, certamente eu optaria pela primeira. A paciência com os defeitos dos outros é uma virtude.

Lembrei daquele livrinho batido, do Daniel Goleman, que fala de inteligência emocional. Parece assunto velho, mas como isso é relevante para o sucesso de alguém, tanto na vida pessoal quanto na profissional!

Alguém já viu uma criatura descontrolada e super sincera se tornar gerente? Normalmente os mais habilidosos emocionalmente, os que sabem agir levando em conta prós e contras, são mais bem sucedidos (não estou falando aqui dos que ascendem por jogo sujo ou troca de favores).

Já tive uma terapeuta que dizia que o mundo não quer saber tudo que eu penso. Ela tinha razão. O briguento será sempre um bom peão, pau para toda obra, aquele sujeito questionador que irá sempre fazer um bom trabalho, custe o que custar, custe quantas verdades forem necessárias dizer e quantos desafetos forem necessários criar durante o percurso.  Ninguém quer um cara desses para líder.

Já foi o tempo que o sucesso de alguém era garantido pelo raciocínio lógico e habilidades técnicas. Hoje, é sua capacidade de se relacionar com o mundo que vai determinar o seu sucesso. E relacionamento é tudo, envolve família, colegas de trabalho, seu tempo de espera nas filas, seu comportamento no trânsito, sua forma de falar com a faxineira de casa, etc.. Pode parecer bobo, mas quem não consegue se controlar em situações banais da vida, pouco conseguirá diante de uma equipe cheia de pessoas diferentes, com problemas pessoais, com interesses diversos, com defeitos insuportáveis, com manias irreparáveis.

O grito é utilizado por aqueles que não querem desenvolver a outra habilidade, a da paciência, do olhar o outro com seus defeitos. Agressividade e impulsividade são fáceis de cultivar, mas o controle dos impulsos e a gentileza são os grandes diferenciais para o sucesso das relações. A gentileza desarma. A voz baixa se faz ouvir com muito mais facilidade.

Como ninguém nasce pronto, essa impulsividade pode ser controlada com meditação, relaxamento, yoga, exercitar pensar antes de falar. E se a pessoa não conseguir fazer isso sozinha, deve buscar ajuda de um profissional.

Ganhar no grito é coisa do passado! Busquemos formas mais inteligentes de ganhar nossas batalhas pessoais. Eu to tentando a minha, embora ainda escorregue, às vezes. Bom domingo!

sábado, 23 de outubro de 2010

Roma é eterna
Assistir Comer, Rezar e Amar me deu uma saudade imensa da Itália. Lembrei da época que passei três meses lá, estudando italiano e me acabando de comer massas e beber vinho. Como Liz, eu também engordei horrores nesse período. É que o lugar é tão  bom, tudo dá tanto prazer, que a última coisa que a gente pensa é viver com restrição. Desde a primeira ida, em 1997, nunca mais parei. A média é a cada três anos. A última foi em 2008. Não sei se conseguirei manter a frequência. Passarei por um período de inve$timento em outros setores da minha vida e terei que abrir mão dessas aventuras internacionais constantes e da intensa vida cultural. Escolhas, sempre elas. Pelo menos terei mais tempo para escrever no blog e ele terá menos essa cara de caderno de entrenimento que vem no jornal de domingo. Beijos e bom fim de semana.

domingo, 17 de outubro de 2010

Eu disse que a cota de shows do mês estava esgotada, mas me rendi e fui de acompanhante ao show do Winger, no Hard Rock Café. O show estava anunciado para começar às 17h, mas de fato só começou às 19h (ok, para aproveitar o atraso comprei dois sapatos no Città América). Na primeira música a energia caiu. Depois de uns minutos o show recomeçou. Para quem não conhece ou não lembra, o Winger foi uma banda de hard rock que  estourou nos anos 80 e teve um hit utilizado em uma das propagandas da Hollywood. Depois de uma hora e meia de show, eu já estava desacreditada, quando eles voltaram para o bis e tocaram Miles Way (os cabelos dos caras são imperdíveis!),  a única música da banda que eu conheço. De quebra encerraram com Helter Skelter, dos Beatles, mas já gravada por muita gente (eu gosto da versão do U2). Eu era uma das poucas pessoas de cabelos curtos e acho que a única de camisa branca. 
Eu fugi do show do Rush e fui ao teatro. A peça escolhida foi  "Mais respeito que sou tua mãe". A história escrita pelo argentino Hernán Casciari, em um blog premiado, foi adaptada para uma versão brasileira por Miguel Falabella. Com Claudia Jimenez no papel principal, é humor escrachado durante 1 hora e meia. Claudia faz o papel de Esmeralda da Silva, dona de casa esforçada, brigando com a crise econômica. Aos 50 anos, anda preocupada com o desemprego do marido, com o sogro, que planta maconha em casa e com os três filhos adolescentes às voltas com a puberdade. Além disso, ainda tem de lidar com os afrontamentos típicos da menopausa e os desastres domésticos que tantas vezes surgem entre quatro paredes. Mais Respeito Que Sou Tua Mãe está no Teatro Leblon, de quinta a  domingo, preços de R$ 70 a R$ 80. Se puder escolher, não conte com taxi na volta.  Eu evitei ir de carro, com receio dos inúmeros arrastões que andam em moda na cidade e pela falta de estacionamento no Teatro Leblon. A fila do taxi (que não é organizada) é imensa na saída do teatro. Se chover, a situação fica mais crítica. 


domingo, 10 de outubro de 2010

Bon Jovi em São Paulo (06/10)
Já estava tudo comprado (ingressos, bilhetes aéreos e hotel reservado) para o show do Bon Jovi em São Paulo, quando foi anunciado que a banda também faria show no Rio. Como o show carioca seria no mesmo dia do Dave Matthews (que também já estava comprado), resolvemos que a melhor opção era ir ao show em Sampa. E todo esforço foi recompensado. Nem mesmo o cansaço de madrugar no aeroporto na quinta, após poucas horas de sono, gerou qualquer arrependimento pela ida. O show durou 3 horas e foi maravilhoso! O alto astral com o Morumbi cheio, o público que reagia freneticamente a performance de Jon, que apesar de estar chegando aos 50tinha de idade, continua mandando muito bem no palco e fazendo com que as moçoilas gritem desesperadamente a cada gracinha do bonitão. Foram 27 músicas, algumas do álbum novo (The Circle) e muitas do repertório antigo que levaram o público a um luxo radioso de sensações. Já o show do Rio, eu li que foi mais curto, mais frio e mais vazio. Não é a primeira vez que um show em terras cariocas é inferior em relação ao da mesma banda em São Paulo ou em Buenos Aires. O único ponto que poderia ser melhorado é a escolha da banda de abertura. O show do Fresno foi um lixo. O público não deixou por menos e virou de costas, vaiou, entre outras reações obscenas que não posso contar neste blog família. 
---
Dave Matthews  Band (08/10)
Eu não curto muito o estilo, mas fui acompanhando o marido que ama a banda. Sem dúvidas o show foi impecável. A humildade de Dave que subiu ao palco para anunciar quem faria a abertura, foi louvável. A abertura foi feita pelo excelente Teatro Mágico. O público curtiu demais desde o primeiro momento. Só lamento que a banda de abertura tenha começado tarde, o que atrasou muito o início da banda principal. Depois de uma hora de Teatro Mágico e duas horas de Dave Matthews, eu já estava exausta (to velha!). Fui embora antes do final do show, que durou três horas. Definitivamente, não é qualquer show de três horas que me mantém acordada! Minha cota de shows do mês está encerrada. O do Rush, que será hoje, eu declinei. Vou trocar o rock pesado por um teatro, bem mais adequado para minha idade avançada. Beijos e boa semana!

domingo, 3 de outubro de 2010


Os males da vida moderna que atacam boa parte dos habitantes das grandes metrópoles servem de alicerce da comédia Igual a Você, no Teatro do Leblon, sala Fernanda Montenegro. No elenco, Camila Morgado, Bia Nunnes e Anderson Muller se revezam em esquetes onde interpretam personagens que sofrem com as loucuras presentes no dia-a-dia da sociedade moderna, como obsessão, paranóia, hipocondria, egocentrismo, TOC, TPM, pânico, ansiedade e ninfomania. A Camila Morgado está imperdível! O ensaio aberto (com ingressos mais baratos) vai até hoje. Estreia na quinta-feira.

sábado, 25 de setembro de 2010

Como já disse uma amiga, "o mundo não vai mudar com a nossa raiva ou nosso stress, mas talvez mude um pouquinho com pensamentos pacíficos e amorosos". Há quem prefira resolver tudo dando cabeçadas por aí. Há quem pense que deixar de entrar numa briga é excesso de passividade. Eu diria que eu escolho as minhas lutas. E até mesmo quando resolvo lutar, não é na gritaria que eu ganho. Minha tranquilidade vale mais. Beijos e bom domingo.

sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Sou a mais nova viciada no Peixe Urbano. Hoje comprei meu primeiro cupom, já vi ofertas antigas e estou encantada com as possibilidades de descontos.

quinta-feira, 16 de setembro de 2010

O show do Peter Frampton foi ótimo! O sujeito continua mandando muito bem! Público bem mais velho (não lembro de ter visto jovens, só vovôs roqueiros se jogando na balada). Dizem as más linguas que havia uma enfermeira disfarçada na pista vip e uma ambulância escondida atrás do palco. Que maldade! Bilheteria magra, muitos espaços vazios. O show foi de uma hora e meia, com direito a apenas 01 música de bis. A escolhida (pela platéia, não por Frampton) foi Breaking all the rules, que eu adoro, mas foi cantada com uma certa má vontade. Esse cara não deve aguentar mais cantar essa musiquinha da propaganda da Hollywood.

domingo, 12 de setembro de 2010

Quero ser saudável (de segunda a quinta)
Acordei tarde e estou na frente de um computador, depois de ter tomado um super café da manhã ao meio dia, enquanto alguém tenta me convencer que precisamos nos exercitar mais nos finais de semana. No meu ócio dominical, acabo de achar esta frase fantástica  escrita por Mark Twain, em Dicas Úteis de uma Vida Fútil:  “O único jeito de ter saúde é comer o que não quer, beber o que não gosta e fazer o que detesta!” . Acho que preciso instalar o software "dieta+ exercício" novamente em mim. Ele caducou nas férias. Beijos e bom domingo.
E os últimos cinco dias de férias foram em  Búzios, para descansar da aventura americana. Pousadinha perto de Geribá, sem pegar carro pra quase nada. Dia 05/09 completamos 01 ano de casório religioso, com direito a um jantar comemorativo num restaurante de Jazz na Rua da Pedras. Tudo quase perfeito se não fosse uma intoxicação alimentar que me rendeu uma semana tomando floratil, plasil, fazendo dieta e prometendo nunca mais comer lagosta na minha vida. Depois do feriado voltamos com a programação (a)normal de trabalhar muitas horas por dia, já pensando no que fazer nas próximas férias. Bom final de semana!

sexta-feira, 3 de setembro de 2010


Las Vegas é uma cidade de contrastes, o luxo e o brega são separados por uma linha tênue (meu hotel que o diga - foto acima). Tudo muito grande (alguns hotéis tem 5 mil quartos), muito quente (40 e tantos graus), abafado, muitas luzes, cores vibrantes, gente linda nos shows, gente estranha andando de chinelo e biquini pelos cassinos em direção às concorridas piscinas dos hotéis. Pois é, pra ir para qualquer lugar dos hotéis é quase uma obrigação passar por dentro dos cassinos. Daí, fica um festival da mistureba, todo mundo passando por ali, tudo ao mesmo tempo agora. Depois da primeira noite movimentada, com direito a mudança de quarto (melhor, mais moderninho e menos barulhento), tentamos conhecer a cidade por fora, andando na rua: impossível! A temperatura não deixa. Por isso se gasta tanto em Vegas: ou você fica entre um shopping e outro (os shoppings ficam dentro dos hotéis) comprando tudo das grifes mais caras que existem no planeta, ou fica jogando e bebendo, ou gasta uma pequena fortuna para ir a todos os shows possíveis. Aliás, de shows e teatros a cidade está muitíssimo bem servida. Adoramos o espetáculo aquático "O", do Cirque du Soleil, o Believe do Criss Angel e o David Copperfield (que me rendeu o desaparecimento do meu marido por algum tempo, que ficou famoso e foi reconhecido no meio da rua, no dia seguinte). Também achamos o máximo a vista do topo do Stratosphere, e todos aqueles brinquedos insanos, o leão que anda pelo MGM Grand, jantar no Bellagio vendo aquela fonte luminosa e musical, o shopping no estilo de Veneza, enfim, Las Vegas é uma cidade cenográfica, cheia de efeitos especiais, no meio do deserto. De um lado a torre Eiffel, do outro o Empire States do hotel New York (que saía uma fumaça na hora que a torre era acesa), mais um pouco e você anda de gôndola pelos canais de Veneza, do Venetian. Dentro dos locais, sempre uma penumbra que não denuncia que horas são, e você vai ficando, ficando e gastando. Voltamos exaustos. A solução foi tirar férias, após as férias, mas isso é assunto do próximo post. Beijos pessoal.

domingo, 29 de agosto de 2010

Meu marido acaba de desaparecer no meio de um truque de mágica do show do David Copperfield. Eu falei pra esse menino não subir naquele palco ... Desde que ele comprou o kit com 500 mágicas do Criss Angel, não para de treinar levitação no quarto do hotel. Ontem ele fez aparecer uma moeda atrás da minha orelha. Cada hora é uma novidade. Enquanto ele não aparece, só me resta aproveitar minha última noite em Las Vegas. Será que a Paris Hilton ainda está por aqui? Beijos, depois eu volto pra contar a última saga.

terça-feira, 24 de agosto de 2010


Bike the bridge! (mas use filtro solar, por favor)
Estamos no quinto e último dia em San Francisco. O marido teve a brilhante ideia de atravessar a ponte Golden Gate de bicicleta e lá fomos nós. A cidade é linda, eu já havia feito todas as compras permitidas (não todas as desejadas, porque nas lojas em volta da Union Square as possibilidades de gastar são infinitas) e achei que seria possível correr o risco de passar o dia seguinte me arrastando. Consegui negociar que o nosso percurso fosse até Sausalito e voltaríamos de ferryboat, assim foi feito. Só esqueci de passar filtro solar nos braços e estou bicolor. Aproveitamos a cidade, andamos de bonde, fizemos muitas compras, tomamos café da manhã ouvindo Jazz, fomos ao Aquário, batemos perna em Chinatown atrás de uma encomenda (lá eu consegui usar meu inglês sem culpa, rs), fizemos passeio de barco contornando a ilha de Alcatraz e até agora não precisamos usar todos os conhecimentos dele sobre como proceder num terremoto.  Amanhã novo destino. Beijos e boa semana.

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Diário de bordo em breve!

quinta-feira, 12 de agosto de 2010

Onde foi que eu coloquei o buraco ACME? Estou precisando dele. Que mania eu tenho de trocar de bolsa, vivo perdendo as coisas, inclusive a paciência.

terça-feira, 10 de agosto de 2010

Sei lá, mil coisas
Ok, confesso, estou ausente e sem inspiração pra blogar. Algumas coisas legais aconteceram nos últimos dias: a) um showzinho do Fernando "caras e bocas" Vidal, num tributo a Jimmi Hendrix (que já foi bem comentado aqui); b) uma ida ao cinema (pra assistir Salt - que a minha cabeça loira achou confuso); c) ida ao teatro pra assistir pela segunda vez "Homens são de Marte e é pra lá que eu vou" - achei mais legal da primeira vez que vi, há 4 anos. Tirando a diversão, tive uma semana passada abarrotada de coisas de trabalho para serem alinhadas antes das minhas merecidas férias. Estou no meio de um curso batido de gestão,  recordando a época que eu vivia de TGA. Faltam 3 dias para as férias, mas já estou com o espírito mais calmo e tranquilo.

sexta-feira, 30 de julho de 2010

Bacanérrimo o espetáculo 4 por 4 da Débora Colker, que está de volta ao Brasil depois de uma temporada em NY. O espetáculo é uma colaboração entre dança e arte visual. Trabalhos de artistas brasileiros de diferentes épocas e estilos são transformados em dança. “Cantos” baseado em Cildo Meireles; “Mesa” em Chelpa Ferro; “Povinho” em Victor Arruda; e “Vasos” em Gringo Cardia, são coreografias que trazem vida às imagens. Em cartaz no Teatro João Caetano, na Praça Tiradentes, a preços populares (R$ 25 a inteira). Vale muito mais do que isso.

quarta-feira, 28 de julho de 2010

Entendi porque a mulher carioca anda mais de sapatos baixos do que de saltos altíssimos (como os que eu uso pra trabalhar). Hoje fui seguida no Largo da Carioca, em frente ao BNDES. A distraída aqui parou numa banca pra comprar um lanchinho e fui comendo (passeando) na direção do meu destino. Senti um cara colado em mim, mudei de caminho e ele veio atrás. Olhei pra trás e dei um grito de susto. Ele se abaixou pra amarrar o tênis e eu saí correndo (de salto!). Atravessei a República do Uruguai correndo e não me toquei da escadaria no final da travessia. Dei um duplo twist carpado e me esborrachei no chão, toda ralada. Duas boas almas me acudiram e me levantaram. Agora to aqui, depois do banho, toda dolorida e ardendo. Preciso de sapatilhas. Beijos e boa semana (sem tombos, por favor).

sexta-feira, 23 de julho de 2010

Rock'n roll
Muitos shows legais acontecerão neste segundo semestre: Peter Frampton (11/9), Bon Jovi (6/10), Dave Matthews  (8/10) e Rush (10/10). Preparem os bolsos porque os preços estão salgadinhos.
Ontem fiz um dos meus programas favoritos, saí pra jantar na Osteria Policarpo (já declarei aqui meu amor a este simpático restaurante). Completamos 01 ano de casamento civil dia 16/07 e isso mereceu uma semana de comemoração. Sim, porque o primeiro ano de casório é tarefa de gincana. Entre adaptações, combinações, boa vontade de ambos e amor, nós conseguimos! Nada melhor do que comer e beber bem (só eu bebi, porque ele era o motorista ajuizado e casamento tem dessas coisas). Foi muito bom, me lembro vagamente da volta pra casa, dormi muito bem, o que confirma a minha tese de que pra viver bem essa vida maluca, só mesmo a base de psicotrópicos e álcool, rs. Como pretendo experimentar todo o cardápio daquele lugar, aceitei a sugestão do "seu Luiz" e pedi um Spaghetti a Marco & Vespuccio, com tomate refogado com nirá, gengibre e pimenta de cheiro. Delicioso! A Osteria Policarpo fica no Largo dos Leões, 35 - Humaitá.
Papo de mesa de bar
Em algumas conversas com amigas durante esta semana eu vejo como há diferença entre "o modo que a gente se percebe" e "a forma como o outro percebe a gente". Esse é um assunto recorrente lá em casa, e eu bato sempre na mesma tecla. Se a gente se percebe X, mas o outro nos percebe Y, até que ponto eu não estou contribuindo para esta percepção Y? Que sinais eu estou emitindo para esta percepção "distorcida" do outro sobre mim? É culpa do outro não me enxergar do jeito que eu acho que sou? Já ouvi um querido dizer "não me importa a forma que o outro me vê, ou o que pensa de mim, isso é problema dele". Será que é fácil assim? Até que ponto a percepção que o outro tem de mim influencia no meu dia a dia, no meu relacionamento amoroso (outro=namorado/marido), profissional (outro=meu chefe), social (outro = amigos, vizinhos, porteiro do meu prédio, etc)? Acho que esse assunto é melhor discutido na mesa de um bar, né não? Bom final de semana (com álcool por favor).

quinta-feira, 22 de julho de 2010

Paradoxo do nosso tempo
Multiplicamos nossos bens, mas reduzimos nossos valores. Nós falamos demais, amamos raramente, odiamos freqüentemente. Aprendemos a sobreviver, mas não a viver; adicionamos anos à nossa vida e não vida aos nossos anos. Fomos e voltamos à Lua, mas temos dificuldade em cruzar a rua e encontrar um novo vizinho. Conquistamos o espaço, mas não o nosso próprio. Fizemos muitas coisas maiores, mas pouquíssimas melhores. Limpamos o ar, mas poluímos a alma; dominamos o átomo, mas não nosso preconceito; escrevemos mais, mas aprendemos menos; planejamos mais, mas realizamos menos. Aprendemos a nos apressar e não a esperar. Construímos mais computadores para armazenar mais informação, produzir mais cópias do que nunca, mas nos comunicamos cada vez menos. Estamos na era do 'fast-food' e da digestão lenta; do homem grande, de caráter pequeno; lucros acentuados e relações vazias. Essa é a era de dois empregos, vários divórcios, casas chiques e lares despedaçados. Essa é a era das viagens rápidas, fraldas e moral descartáveis, das rapidinhas, dos cérebros ocos e das pílulas 'mágicas'. Um momento de muita coisa na vitrine e muito pouco na dispensa. (George Carlin)

terça-feira, 20 de julho de 2010


Feliz Dia do Amigo
"Vinte, vinte, vinte quatro horas a mais, eu quero ser sedada, nada de amor, nada de paz, eu quero ser sedada. Me leva pro aeroporto, me bota no avião..." Quanto mais eu conheço e vejo desse mundo corporativo, mais eu tenho vontade de voltar a ser professora, arrumar uma bolsa de doutorado e sair dessa rotina sem sentido. A teoria é mais legal. Pelo menos na sala de aula eu posso me posicionar, sem me preocupar com a política da boa vizinhança que domina quem possui cargo gerencial. Cansei de gente em cima do muro. A errada sou eu. Faltam 23 dias para minhas férias.

sábado, 17 de julho de 2010

Bom final de semana!

terça-feira, 13 de julho de 2010

OK, chega de me preocupar com coisas que não estão sob meu controle. Como disse uma amiga, tudo se resolve no tempo certo. Vamos ao que interessa: faltam 30 dias para minhas férias! Contagem regressiva. Beijos e boa semana!

segunda-feira, 12 de julho de 2010

Hoje rolou Palco MPB com George Israel, no Teatro Rival. O Palco MPB é a gravação de um programa de rádio, que acontece todo mês no Teatro Rival, com distribuição de ingressos. A vantagem é que dá oportunidade de todo mundo assistir a um showzinho legal, num teatro bacana, de graça, depois do trabalho. O show de hoje foi todo de músicas em parceria com Cazuza, em homenagem ao dia do rock`n roll, que é amanhã. Questões técnicas eu deixo pra quem entende comentar. Beijos e boa semana.
Física quântica: indicada para casos de falta de humildade *
Sabe aqueles dias em que a gente sai de casa achando que é a última bolacha do pacote? ( Sim, esses momentos acontecem para todos. Por que a gente se acha melhor do que realmente é?)."Lembre que você é apenas um entre 6,4 bilhões de indivíduos, pertencentes a uma única espécie, entre outras 3 milhões de espécies classificadas, que vive num planetinha, que gira em torno de uma estrelinha, que é uma entre 100 bilhões de estrelas que compõe uma galáxia, que é uma entre outras 200 bilhões de galáxias, num dos universos possíveis e que vai desaparecer". 
*Fonte: Qual é a tua Obra?

domingo, 11 de julho de 2010

Depois de viagens a trabalho, alguns treinamentos, etc., voltamos com a programação normal.

Pratique a gentileza
Alguns acontecimentos me fizeram pensar sobre a prática da gentileza. Às vezes, na melhor das intenções, em alguns casos envolvendo até sacrifícios de tempo e dinheiro, fazemos algo que julgamos ser uma gentileza com o outro. Mas, se o outro não vê esta ação como uma gentileza, não dá o devido valor, o esforço vai por água abaixo. Ou seja, se quer fazer uma gentileza a alguém, é melhor conhecê-lo bem, ou correrá o risco da boa ação virar um problema pro outro. O ser humano anda mesmo muito complexo e difícil de agradar.

O comportamento humano nas organizações
Ando mesmo desacreditada no ser humano. Apesar de já ter defendido muito em sala de aula (no período que o mundo acadêmico era meu ganha pão) a gestão humanizada nas organizações, onde o ser humano não é apenas uma peça de uma engrenagem, mas alguém com uma história pessoal e expectativas profissionais que não podem ser desconsideradas dentro de um contexto produtivo, eu juro que ando sentindo falta de alguns conceitos Tayloristas, de controle e remuneração por produção. Não há gestão humanizada que garanta resultados palpáveis, se não houver algum tipo eficaz de controle e um sistema de consequências atrelado. Ok, sabemos que a relação hierárquica entre patrão e empregado é tradicionalmente de desconfiança. O que presta o serviço se acha explorado, ou pouco valorizado, e o que paga por isso acha que está pagando mais do que o resultado que está recebendo. Mas, tenho visto alguns trabalhadores fazendo da empresa o que bem entendem, ignorando orientação gerencial, buscando a todo tempo burlar alguma regra, produzir menos com a justificativa de que não são reconhecidos. Posso não concordar com muitos desejos e orientações do meu chefe, mas insubordinação não é um dos meus vícios. Um mínimo de enquadramento é fundamental para o bom desempenho profissional. Desde quando o reconhecimento vem antes do trabalho? Só se for no dicionário. Por hoje é só. Boa semana.

segunda-feira, 5 de julho de 2010

Estou fora, conto as novidades quando voltar.

sexta-feira, 2 de julho de 2010

E a pergunta que não quer calar é: E agora, para quem vamos torcer? Alguém pode convencer o Mick Jagger a torcer pela Argentina, por favor? Vai ser pé frio assim lá em Buenos Aires.
Hoje o Bichinho de Jardim está demais.
Lembrei do livro que estou lendo "Qual é a sua obra?", do Mário Sergio Cortella.
Agulhadas mágicas
Ontem levei uma agulhada tão dolorida no ponto que equivale ao fígado, que minha acupunturista ficou satisfeitíssima. Ela disse que por conta do excesso de irritabilidade, meu fígado tá trabalhando dobrado, tadinho. Saí de lá e fui tomar um vinho com o marido, que me acompanha sempre nessas minhas terapias alcóolicas. Eu estava tão chatinha ontem que consegui não gostar do Le Vin. Esperei que fosse um Taste Vin , cheio de soufflés deliciosos. Mas a culinária do Le Vin passa por um caminho que não me agrada tanto, com patos, coelhos, mexilhões e ostras frescas. Tudo bem, atravessamos a rua e fomos para o super manjado, mas muito gostoso e aconchegante, Alessandro e Frederico. Dormi maravilhosamente bem.

quarta-feira, 30 de junho de 2010

Alucinadas
Na peça "Alucinadas", Luciana Fregolente e Renata Castro Barbosa mostram 12 esquetes retratando situações do cotidiano, que incluem um grupo de auto-ajuda de estressadas anônimas, uma vendedora de cartão de crédito que leva sua cliente à loucura, uma mulher que organiza a morte do marido, uma perua que agenda o próprio sequestro e duas editoras que questionam o potencial comercial da Bíblia. A peça tem até um clipe de abertura que foi feito contando com a boa vontade dos amigos famosos (Herbert, Frejat, Leo Jaime), do Leoni (marido de uma) e com o texto do Bruno Mazzeo (ex marido de outra). Tudo isso por falta de patrocínio, mas com muita criatividade. Boa diversão. A peça está  no Teatro Leblon, R$ 40.
Muro das lamentações
Eu tive a brilhante ideia de comprar ingresso para ir ao cinema Estação Botafogo 2, no sábado. Consegui ficar  apenas 5 minutos dentro do cinema, o que me rendeu uma crise alérgica com direito a rinite e sinusite. Infelizmente não dá mais pra confiar em cinema de rua. Manutenção sofrível. O dinheiro do ingresso que recebi de volta foi revertido em Tylenol Sinus e Histamin. Que fase...
Desequilibrando
Estou sem paciência com o mundo, com o meu trabalho, com as pessoas a minha volta. Sentindo muita falta de trabalhar com alguém que eu admire, alguém que seja referência, de ter com quem aprender, com quem contar. Ando me sentindo meio órfã profissionalmente. Dias melhores virão.

Estive num congresso onde o tema era EqUiLíBrIo. A palestra de abertura foi com o educador e filósofo Mário Sérgio Cortella, que me fez lembrar uma frase maravilhosa do Leonardo Boff: "um ponto de vista é a vista de um ponto". Se a gente lembrasse disso antes de começar a esbravejar com o outro ... Fica para reflexão.

domingo, 20 de junho de 2010

Estou numa friaca em Curitiba, vendo os melhores momentos do segundo tempo do jogo do Brasil, requentado. Só vi o primeiro tempo no aeroporto. Pra compensar, fui recebida com toda atenção no hotel, eu diria até com excesso de atenção. A recepcionista me ofereceu um quarto feminino. Adoro esses mimos. Os serviços andam tão ruins por aí, que quando o tratamento é diferenciado, eu até estranho. O andar todo é atendido por mulheres. A decoração é toda fofa, cheia de kits femininos, flores naturais, espelhos enormes, ferro de passar roupa, meia calça, esmalte, acetona, demaquilante, agendamento de cabelereiros e manicures, etc. Já ligaram pra perguntar se eu tinha gostado do jantar, depois veio outra pessoa bater na porta oferecer bombom de boas vindas. Adoro ser tratada como mulher. Outro dia, num seminário sobre Equidade de Gênero, percebi que fomos longe demais. Essa briga por igualdade fez com que a mulher tivesse conquistado boas ocupações no mundo corporativo, mas mantendo o que ela já tinha que fazer antes, dentro de casa. Agora, há um movimento mundial de buscar a igualdade na divisão dos afazeres domésticos com os homens. Maldita hora que queimaram sutiãs em praça pública. Exageraram na dose. A diferença entre gêneros é saudável em alguns aspectos. Não me venham com discursos xiitas, por favor. Não quero ser tratada como homem. Quero ser mulherzinha, merecedora de muitos mimos.
Impressionante o incêndio no Morro dos Cabritos, na minha vizinhança.  Senti um cheiro de queimado e pedi ao marido pra verificar se estava tudo bem dentro de casa. Na janela da área de serviço, a cena do morro em chamas era assustadora. Oito carros de bombeiro e dois helicópteros tentando conter uma brincadeira irresponsável com balão. Lamentável como o ser humano consegue ser uma besta quadrada quando não raciocina.

quinta-feira, 17 de junho de 2010

Que saudade que eu tenho dos meus amigos! Ontem, uma grande amiga e madrinha de casamento estava no Rio para fazer um curso e aproveitamos pra fazer um happy hour na Prima Bruschetteria. Delícia de lugar e de comida. Tomamos muiiito vinho e morremos de rir. Uma boa alma foi nos resgatar, já que minha condição alcoolica não me permitia dirigir. Sinto que preciso diluir isso tudo com muita água durante o dia de hoje.

terça-feira, 15 de junho de 2010

O inferno são os outros
Ôooo vontade de pedir demissão dessa rotina corporativa pra não ter que lidar com certas picuinhas típicas do ser humano. Cansei a beleza. Como diria um grande filósofo russo: "ado-a-ado cada um no seu quadrado". A partir de hoje é assim.

domingo, 13 de junho de 2010

E esse frio, heim? Hoje eu tirei da toca todos os meus agasalhos mais pesados. Tentei comprar umas roupinhas adequadas pra essa friaca, mas as lojas não se prepararam pra essa temperatura em pleno outono.

Dia de Santo Antônio
O casamento é a faceta mais conhecida deste santo tão querido no Brasil, mas a marca de evangelizador é a principal  de Santo Antônio. Aqui em casa ele é chamado carinhosamente de "Toninho" e quebra altos galhos, ou melhor, já nos proporcionou algumas graças. Oficialmente batizado Fernando,  nasceu em Lisboa em 15 de agosto de 1195. Aos 15 anos entrou para um convento agostiniano, onde se ordenou. Em 1220 trocou o nome para Antônio e ingressou na Ordem Franciscana. Foi dessa pra uma melhor em 13 de junho de 1231, razão pela qual  comemoramos este dia. Façam seus pedidos! Ainda dá tempo de começar uma trezena! E nada de virar o santo de cabeça pra baixo, tadinho. Caridade ele vê com bons olhos. Beijos e boa semana!
Caderno de Memórias
Aproveitei que os ingressos estavam em promoção, li a sinopse que dizia que "na comédia romântica, o inusitado casal Suzanne e Jean Jacques enfrentam dificuldades para se entregar ao amor"  e fui alimentar me vício de teatro.  Eu saí da peça sem entender bem o rumo daquela prosa, com a impressão de um texto com uma tradução mal feita, ou uma adaptação sem pé nem cabeça, ou  apenas a minha  pouca compreensão da criatividade alheia. Se eu não tentar entender a conexão  entre os atos  e pensar que alguém pode entrar na vida de  outra pessoa de supetão,  tirando-a da zona de conforto,  fazendo-a repensar sua rotina já cristalizada, enfrentando o outro com sua resistência inicial e a tendência de estabelecer vários limites, tentando preservar seu espaço, até mesmo sua solidão..., tudo faz sentido. Mas a adaptação do texto eu achei confusa.  Caderno de Memórias está no Fashion Mall, de 5ª a sábado, às 21h30; domingo, às 20h.  Ingressos a  R$ 40.
Brasileira não praticante
Quando é que a Copa termina mesmo? Minha empregadora comunicou que irá liberar para os jogos que acontecerem no meio da tarde, durante a semana, desde que todos (leia-se empregados próprios, não terceiros) compensem o horário. Eu desisti pra não ficar devendo horas pra empresa até 2017. Quanto aos jogos da hora do almoço, haverá telão para a plebe assistir. Ver jogo sem um chopp e do lado do chefe? Não, obrigada.

sexta-feira, 4 de junho de 2010

Como eu não dou ponto sem nó, apesar de estar em processo de reeducação alimentar e com menos 6 kg no corpitcho, cheguei em Rio das Ostras com a super dica de conhecer o Bartrô. Gente, que delícia! A comida é impecável. As entradinhas já me ganharam: souflezinho de bacalhau com saladinha e tapioca de gorgonzola com crosta de parmezão. Os pratos principais também não ficaram atrás. O lugar é uma graça e os donos simpáticos. Os garçons, bem, esses continuam sem entender muito bem o que o cliente quer, mas isso é outro papo, pra outro post, sobre a qualidade sofrível dos serviços no nosso país. O Bartrô ainda faz parte da Associação dos Restaurantes da Boa Lembrança, e tem aqueles pratinhos fofos espalhados pelas paredes. O Bartrô fica na Rua Jandira Pimentel, 449, em Rio das Ostras. Mas se você tentar chegar com o GPS (nosso caso), ele não irá reconhecer. Melhor procurar pela antiga rua Santo Antônio. Beijos e bom final de semana!
Tá rolando, com chuva ou com sol! Eu estou gostando mais de assistir aos shows da tarde, em lugar menor, com menos gente. Fala verdade, eu to ficando velha! À noite, os show são mais robustos, com bandas internacionais, mas o lugar, embora grande, fica abarrotado de gente, muitos nem sabem o que é blues, estão ali porque é o maior evento da cidade e querem ficar sentados nas mesinhas cobertas, comendo todas as porcarias que vendem nas barraquimhas ou se acotovelando para pegar bebidas, enquanto a plebe bluseira (essa que curte a música), fica em pé, mais perto do palco, apesar do chão de lama causado pelas chuvas. Por benção divina, um primo do marido estava refestelado sozinho, em uma das mesinhas, e mesmo chegando tarde conseguimos sentar e assistir ao show do Michael Landau, de longe.


terça-feira, 1 de junho de 2010

Agulhadas certeiras
Super recomendo o Kazazen, um spa urbano que oferece oportunidade de relaxamento e alívio do estresse cotidiano. São muitas atividades para equilibrar corpo, mente e alma. Tem  tratamento para todos os gostos, estéticos e terapêuticos. Eu fui na sorte, sem indicação, no desespero de fazer acupuntura pra me livrar de uma crise de labirintite causada pela minha coluna podre. Virei fã. O lugar é super bonitinho e tem um Café dentro. Pra quem mora no Rio, o Kazazen fica na Afonso Pena - Tijuca.
Eu adoro esse friozinho que tem feito! Só lamento a chuva que veio junto, que complica todo o trânsito. Frio dá vontade de tomar capuccino quentinho, dormir dentro do casulo de edredom, usar lenço no pescoço, tirar os casacos do armário, sopa no jantar, fondue, muito vinho...

domingo, 30 de maio de 2010

Ou eu estou em processo de empobrecimento acelerado ou o mercado imobiliário do Rio enlouqueceu. Acho que precisaremos dar um upgrade no Alonso (nosso cofre de porquinho). Melhor comprar um container. Hoje eu li que até mesmo as casas em comunidades que possuem unidade pacificadora, as famosas UPs, sofreram uma valorização de 400%. Ao contrário do mercado capixaba, terei que dar um braço a torcer e reconhecer que aluguel no Rio é ainda um bom negócio.

terça-feira, 25 de maio de 2010

O Preço da Traição
Catherine é médica e David é professor. À primeira vista parece um casal perfeito. Mas quando David perde um vôo e consequentemente sua festa de aniversário surpresa, Catherine começa suspeitar do marido, colocando em cheque a sua fidelidade. Ela decide contratar Chloe, uma garota de programa, para seduzir David e testar sua lealdade. Achei o filme muito bom até o meio. Tem uma cena maravilhosa do encontro dos três num bar. A partir daí começa a desandar. Esperava mais. Mas, valeu como programa de sábado à noite.

quinta-feira, 20 de maio de 2010

Cissa interpreta a psicanalista Beatriz, casada há 20 anos com Orlando (Giuseppe Oristanio). Beatriz é moderninha e Orlando é previsível. Os dois são pais da adolescente Marina (Josie Antello), que interpreta também a irmã solteirona Berenice e Elda, a mãe. Cansada da rotina do casamento, Beatriz pede a separação. Mas, quando tudo parecia bem, Orlando ressurge e muda novamente seus planos. Apesar de adorar os textos da Martha Medeiros e de já ter lido o livro, estava com o pé atrás com o formato e  fui sem esperar muito. Fui surpeendida! A Josie Antello está ótima, principalmente no papel  da mãe que resolve explicar como deve ser a sua cremação. Diversão garantida!
Doidas e Santas - Teatro do Leblon, de quinta a domingo. Pra quem paga inteira, na quinta tem promo a R$ 60. Nos outros dias, R$ 80.

quarta-feira, 19 de maio de 2010

Ok, neste post não falarei de comida, vamos a algo mais nobre que a minha fome. Está acontecendo o III Fórum Internacional de Comunicação e Sustentabilidade. A programação está ótima, as palestras nota 10, mas a organização do Vivo Rio deixou a desejar. O André Trigueiro foi muito feliz na palestra, mas as grandes surpresas (boas!) do primeiro dia ficaram por conta do Tião, representante da associação de catadores do aterro de Jardim Gramacho e do revolucionário GOG. Impressionante, também, o caso apresentado pelo Rainer Novak, um dos organizadores do “Let´s Do It 2008”, uma ação cívica com voluntários que praticaram a limpeza da Estônia em apenas um dia. Depois eu conto mais. Beijos e boa semana!
* Atualização: a palestra do Leonardo Boff, no segundo dia, foi ótima!
Como eu estava no centro do Rio no horário de almoço, dei uma esticadinha e fui ao Térezè aproveitar o menu do Restaurant Week. Delicioso! O lugar é lindo, o serviço é muito bom (coisa rara), a comida saborosa e a paisagem lá de cima é lindona! Parabéns ao chef Damien Montecer. Fomos sem reserva e por sorte fomos atendidos. O lugar tem cota diária para a promoção (R$ 27,50 para entrada, prato principal e sobremesa) e as reservas são necessárias. Na foto o delicioso ravioli de mussarela de búfala, prato principal do almoço.
Não consigo parar de pensar nesses brigadeiros caprichados da Sweet Dreams.

terça-feira, 18 de maio de 2010

Eu consegui dormir no meio de Homem de Ferro 2. Quando acordei achei que estivesse vendo um desenho do Power Rangers. Ai gente, me poupe. Muito fraco. A parte boa foi o jantarzinho no Zuka depois. A saladinha de palmito fresco grelhado, shitake e tomate assado é ótima! Minha idade avançada não me permitiu aproveitar o festival de jazz do Leblon. Depois de um dia cheio, várias aquisições de roupinhas de hidro na Santa Clara 33 e de uma vacina H1N1 que acabou com meu braço (dolorido!), eu só queria ficar de pernas para o ar. Beijos e boa semana!

terça-feira, 11 de maio de 2010

Começou nesta semana a segunda edição carioca do Restaurant Week, evento criado em Nova York há 18 anos e que, desde então, é realizado em mais de cem lugares ao redor do mundo. A ideia é promover uma espécie de maratona gastronômica pela cidade, que vai até o dia 23 de maio e inclui 90 restaurantes. Entre os participantes, casas badaladas como Garcia & Rodrigues, Nam Thai, La Pasta Gialla, Térèze, Vizta, Meza Bar e Zazá Bistrô. E o programa ainda é saboroso para o bolso: é possível experimentar três pratos de cada lugar por um valor equivalente ou menor do que o de uma opção do menu convencional. O cardápio, composto por entrada, prato principal e sobremesa, custa o mesmo preço em todas as casas que participam do Restaurant Week: R$ 27,50 + R$ 1 no almoço e R$ 39 + R$ 1 no jantar. Esse um real acrescentado à conta será destinado à fundação Crescer e Viver, instituição beneficente carioca escolhida pela organização do evento (fonte GNT). 

domingo, 9 de maio de 2010

Feliz Dia das Mães!
O meu sangue ferve por você
Nesta comédia musical embalada por pérolas bregas, a exemplo de Alma Gêmea e Conga Conga Conga, é contada a história do quadrilátero amoroso formado pela virginal Creuza Paula, pelo canalha Fernando Sidnelson, pela mulher da vida Sandra Rosa e pelo bom moço Elivandro. Engraçado e você ainda sai cantando. Programinha bom para início de noite. Teatro dos Quatro – Shopping da Gávea. Terças e Quartas, às 20h. Ingresso: R$ 30.
Estou atrasada com os posts, eu sei. Sempre achei que blog que não é atualizado perde o sentido. Então, depois do mea culpa, mea máxima culpa, vamos lá: ontem assisti Alice 3D. Fofo! No filme, Alice (Mia Wasikowska) tem 19 anos e foge assim que descobre que está prestes a ser pedida em casamento.Ao seguir o famoso coelho branco, acaba reencontrando o País das Maravilhas, local do qual não lembrava mais. Tá cansado de saber essa história? Eu não. Em alguns momentos acho que não tive infância, porque eu vejo esses filmes como se não conhecesse o enredo. Não tenho mesmo memória, no máximo uma vaga lembrança.

domingo, 2 de maio de 2010


 Eu estava com muita saudade de Vitória! Pena que um final de semana é tão corrido, que não consegui fazer tudo que eu havia programado. Mesmo com uma agenda familiar intensa (aniversário da cunhada e comemoração antecipada do dia das mães), consegui comer uma pizza com alguns amigos. Queridos, obrigada pelas risadas!

terça-feira, 27 de abril de 2010

Gente, eu sei que este blog está parecendo um site do PROCON, mas não dá pra levar a sério o serviço prestado por algumas lojas. Semana passada comprei um despertador na Imaginarium.com. Pedi na cor branca, chegou na cor preta. Reclamei e foram buscar. Como tá demorando chegar, escrevi pro site da loja, perguntando o porquê de não ter recebido o produto certo. Daí vem esta pérola de resposta: "Olá , Boa tarde! Acabei de receber seu despertador e verifiquei que o mesmo é na cor Preta. No seu pedido, foi solicitado na cor Branca. De qual cor devo enviar um novo despertador para você? Aguardo seu retorno. Atenciosamente, Roberta. Loja Virtual - IMAGINARIUM".
Jura que eu tenho que responder esta pergunta?

segunda-feira, 26 de abril de 2010

Entrando pelo cano - parte 1
Semana passada fiquei sabendo que um terapeuta corporal americano estaria no Rio, atendendo por dois dias. Quando me mandaram o site, li apenas sobre o objetivo da terapia corporal, que era "remover dores agudas ou crônicas relacionadas a retesamento do tecido muscular, melhorar postura e liberar tensão muscular em geral. Em seu aspecto mental, liberar antigos padrões e comportamentos, liberar a mente de sistemas de crença que não são mais válidos e criar uma apreciação positiva da vida. Em seu aspecto emocional liberar emoções e traumas que estejam mantidos no tecido muscular". Não assisti vídeo nenhum do site, não li depoimento, nada. Fui achando que era uma massagem que me deixaria mais leve, sem dores e tal. Distração total a minha! Devia ter lido tudo, visto tudo. No meio da massagem eu mandei parar. Aquilo não tinha nada a ver comigo. Exercício intenso de respiração, corpo dormente, a dor intensa da manipulação deveria ser superada com uma respiração cada vez mais profunda. Três pessoas me apertando, uma com a mão na minha boca e no meu nariz, outras duas com o cotovelo pressionando várias partes do meu corpo. Gente, na boa, eu gosto de terapias alternativas, mas não estava preparada para passar por isso. Saí com vontade de chorar daquela, que para mim, foi uma grande roubada. Aos que gostam desse método, eu respeito. Cada um com seu cada qual. Eu sou muito racional para acreditar em algo sem qualquer comprovação científica. Com o google à disposição, nada justifica a minha falta de informação sobre o "método". Dinheiro mal empregado e dores musculares no dia seguinte. Vida que toca. Momento Pollyana: a parte boa da saga acima foi que, enquanto eu esperava para entrar, tive uma aula sobre alimentação viva, tomei um suco delicioso da luz do sol (pepino, clorofila, maçã, gengibre) e comi uns crackers de semente de linhaça com tomate seco.

Entrando pelo cano - parte 2
Há dias estava interessada em ir ao Dream Fashion Tour, onde teria desfile de moda com um show do Jota Quest. Eu queria ver o desfile, o marido queria ver o show. Assim, pensando num programinha diferente, fiquei acompanhando o início da venda dos ingressos. Na semana anterior, fiquei sabendo que não haveria venda, somente sorteios, concursos de frases e convidados. Participei do que era possível, mandei frase sobre o Rio e ganhei 2 ingressos. No sábado, lá fomos nós. A Fundição estava lotada, estrutura precária, muito calor. Não aguentamos ficar até o final. A Xuxa fez a abertura, o Jota começou o show, as modelos entraram (a Isabel Goulart é muiito bonita), Ronaldo foi chamado ao palco (e foi vaiado) e antes da terceira troca de roupa das modelos, fomos embora. Como este evendo passará por muitas capitais, quem tiver vontade de ir, fique atento para evento onde não há venda de ingressos. Fica insuportável.

terça-feira, 20 de abril de 2010

O mercado tá de cabeça pra baixo. Pensando em dar um presente de Páscoa diferente, comprei um baleiro em formato de carro antigo, pela internet, da empresa Arte Ilimitada Vidros. Paguei o valor do produto e do frete e avisei a empresa que deveria chegar antes da Páscoa. Passaram 15 dias, nada do produto chegar na minha casa. Liguei para o fornecedor do produto e fui informada que a empresa havia se enganado e enviado por uma transportadora rodoviária, que não entregava em casa, ou seja, eu teria que ir buscar o tal baleiro na Rodoviária do Rio. Achei um absurdo, não receber a tempo e ainda ter que ir buscar em um lugar totalmente fora de mão. Solicitei à empresa que resolvesse isso, porque o contratado era que eu recebesse a encomenda em casa. Nada foi feito. Assim, registrei reclamação no Procon de Curitiba e enviei um email avisando, ressaltando que iria contraindicar a contratação desta empresa, nas comunidades da internet as quais participo. Hoje, recebo um email da dona da empresa, indignada, querendo me processar por danos morais, dizendo que era inacreditável que eu estivesse fazendo questão de R$ 20 reais de frete, que ela já tomou prejuizo muito maior e nunca reclamou judicialmente porque existem coisas não materiais mais importantes na vida. Ou seja, que mercado é esse, onde se o prejuízo for pequeno, tudo bem? As empresas não cumprem o contratado e se acham no direito de processar o cliente insatisfeito? A caridade e o perdão eu pratico em outro contexto. Fim do mundo. Valores invertidos. Já era de se esperar, o mundo tá mesmo muito estranho: furacão, tsunami, terremoto, alagamentos, desmoronamento, vulcão em erupção, Botafogo campeão. Não tá dando pra confiar.Pare o planeta, que eu vou descer no próximo ponto.