segunda-feira, 20 de outubro de 2008

Refletindo sobre a qualidade dos nossos vínculos e afetos
Ontem eu fui ao Convento da Penha pra assistir missa com meus pais. Como estava no horário de confissão, eu entrei pra conversar com o frei. Um sujeito novo e de uma lucidez fantástica. Ele me disse que a gente procura um Deus, uma paz, um momento ideal, a tal felicidade e isso parece tão distante, uma imagem/situação meio inalcançável. Enquanto, na verdade, tudo isso é relacional e se manifesta através do dia-a-dia, da paciência, da solidariedade, do perdão, das amizades, dos afetos. E que mantendo a qualidade dos nossos vínculos e afetos já trazemos essa paz, o Deus, a felicidade pra perto da gente. Enquanto refletia sobre isso, recebi um e-mail de uma ex colega de escola, da época que ainda chamávamos de 2º grau, entre 1989 e 1991. Teremos um encontrão no próximo final de semana e verei pessoas que não encontro há 17 anos. Nesse e-mail, um trecho me chamou atenção porque fala exatamente da qualidade dos nossos vínculos: Você prova que ama não é falando "eu te amo", mas por sua capacidade de sair de dentro de si mesmo e cuidar do outro. Aquilo que não se cuida morre. Usamos desculpas esfarrapadas como "meus dias estão muito corridos" e tentamos diminuir a nossa culpa querendo marcar "qualquer coisa, qualquer dia". "Qualquer" é coisa de quem não se importa. Denota descaso e não está de acordo com o cuidado que uma amizade necessita. Diga-me do que você cuida e te direi aquilo que você ama. Boa semana!

3 comentários:

Anônimo disse...

Muito bom o trecho q vc citou. Pode me enviar o texto todo?
Bjos
Tia Bibi

Anônimo disse...

tw,

nosso compromisso sushi / café não é qq coisa, tá vendo?

a gente cuida....

beijokas e boa semana , amada

TW

Terapia disse...

Tw, é mesmo. Estamos de parabéns! Bjks.