sexta-feira, 15 de agosto de 2008

Conversando a gente se entende
Uma coisa que vem me incomodando de forma geral é a falta de delicadeza nas relações. Não que eu seja um primor neste sentido, ao contrário, tenho muito que melhorar na forma de falar, algumas vezes com pouca cerimônia, acabo pisando no acelerador e atropelo o outro. Sei que é importante escolher bem o que dizer e ter a capacidade de escolher a hora certa e uma forma assimilável, que o outro entenda sem se sentir ofendido. Mas, mal ou bem, com maior ou menor delicadeza, eu falo, dou retorno. Uma coisa que me angustia profundamente é quando o outro me priva de conhecer o que ele tem a dizer. Vejo como indelicadeza a falta de retorno a um telefonema, a um torpedo, a um e-mail, a uma pergunta feita pessoalmente. Nem sempre o outro está num momento bom para falar ou responder. Mas, salvo em caso de morte, não há justificativa para ignorar uma mensagem e não respondê-la. Claro que às vezes estamos cansados. Outros, além disso, não sabem dizer “não”, então evitam atender a um telefonema. Ok, se não pode ou não quer responder na hora, o faça em uma ocasião próxima, mas não deixe o outro falando sozinho. Alguns ainda confundem o “ser educado” com o “tenho interesse por você” ou “estou te dando mole”. São coisas diferentes. Não deixem de dar retorno. Não privem alguém de ouvir um “não”, isso é melhor do que a falta de resposta. É urgente reinventarmos a delicadeza e a elegância nas relações.

2 comentários:

Anônimo disse...

Dando uma bronquinha básica né Twtw :)) Não sei pra quem é, mas certamente deve merecer, rsrs

Love u

bj

TW

Terapia disse...

Pois é, pois é, precisamos marcar nosso encontro semanal para te atualizar e tomar café! hehehe.