segunda-feira, 2 de abril de 2007



Maltratar a língua pátria não é crime, mas deveria. Errar eventualmente acontece, afinal, nossa língua é mesmo muito complexa. Tolerável para aqueles que nunca tiveram oportunidade de estudar, muito comum quando se trata de um país injusto socialmente como o nosso. Para quem não gosta de ler nem bula de remédio, escrever corretamente se torna uma tarefa de gincana. Quem lê mais, escreve melhor, sem dúvida. Mas, para os mais desatentos, existe o corretor ortográfico. Os erros mais comuns:

Agente – Significa pessoa que age, que agencia. Ex. Há um agente à sua procura. “A gente” é uma expressão empregada apenas no singular e significa “nós”. Ex. A gente vai.

Vou ir – não existe, melhor dizer que eu vou.

Iorgute – falta de atenção. Iogurte é a grafia correta.

Houveram – no sentido de existir, acontecer, o verbo haver é impessoal e não flexiona. Ex. Houve opiniões contrárias.

Simplismente – não complique o português, prefira o simples ou o simplesmente.

De menor – use fulano “é menor de idade”.

Fulano está com alto estima baixa – por favor, auto com “u” porque significa a imagem que a pessoa tem dela mesma. Então, o correto é fulano estar com auto-estima baixa ou alta.

Miguxês - Para piorar a situação, a Internet possibilita que alguns maus hábitos se perpetuem, como o “miguxês” que troca letras, alterna maiúsculas com minúsculas. Ex. Amiguu, saudadiiii. kEm IxCrEvE aXiM tem algum problema, não é possível.

Um comentário:

SACO PRETO disse...

PQP AMIGA.. PEGOU PESADO NESSA! KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK
NEM VEM QUE AGT E ADEPTA AO MIGUXÊS! KKKKKKKKKKKKKK