quarta-feira, 22 de agosto de 2007

Uma jornada pela miséria humana
Assisti Baixio das Bestas, do cineasta Cláudio Assis. Entre momentos de repulsa e admiração o filme marca o público de uma maneira difícil de esquecer. Uma menina explorada sexualmente pelo avô, um grupo de jovens que aterroriza a cidadezinha, prostitutas violentadas, excesso de nudez e palavrões. O filme retrata a miséria de pessoas desprovidas de moral e esquecidas em uma cidade onde não há leis. A história é a realidade do interior nordestino: violência e ignorância. A prioridade é a controvérsia. Difícil de digerir. Aí está o seu mérito, mostrar, chocar, provocar e fazer o público pensar no que viu.

5 comentários:

Anônimo disse...

AMIGUETIEEEEEEEEEEEEEEEEEEEE!

VIVA A MUDANÇA!!! MUDOU DE SETOR DE TRABALHO, ACORDA MAIS CEDO PRA TRABALHAR, ALONGANDO OS JOELHOS PRO TENIS, E O CORAÇÃO ALIVIADO!! PARECE ATE SONHO!!
SANTA TEREZINHA QUE NOS DIGA!!!
BJINHOS

Terapia disse...

MaluKete, a única parte q ainda não me acostumei foi ter que acordar mais cedo. Mas nada, nada, nada se compara em ter que acordar às 4h da matina p/ caminhar na praia com um geólogo psicopata ;-) Bjocas.

Anônimo disse...

Terapia tb é cultura...é a primeira vez que ouço falar em "coaching". Li, aprendi e gostei!
Parabéns pela conquista!
um bj
Magali

Anônimo disse...

comentário acima está no lugar errado, e eu não sei apagar...rs

Terapia disse...

Magali, aqui vc pode tudo. Onde vc colocar o comentário, tá valendo ;-))) Bjokas.