terça-feira, 16 de março de 2010

Recordando meus 15 anos - Show do A-Ha
Ao som de "Take on me", cerca de 7 mil cariocas deram adeus ao grupo norueguês A-ha, que passou pelo Rio na noite deste sábado, em sua turnê de despedida, a Ending On a High Note Tour. Apesar de a banda fazer questão de mostrar o que fez nas décadas de 1990 e 2000, os pontos altos do show foram os sucessos de discos do A-ha dos anos 1980, como "Hunting high and low" e "Scoundrel days". Apesar das longas filas que se formavam nas portas do Citibank Hall, de muita chuva que desabou no Rio no sábado à noite, o show atrasou menos de meia hora. O A-ha bem que tenta parecer uma banda contemporânea, com discos recentes, mas a verdade é que o povo foi à Barra para ouvir os velhos sucessos. O cantor-galã Morten Harket manteve a voz em perfeita forma, alcançando todos os agudos que as músicas pedem; ao seu lado direito, o tecladista Magne Furulhomen segura as bases das músicas (com o auxílio do também tecladista Erik Ljungren, ao fundo); do outro lado, o guitarrista Paul Waaktaar-Savoy é uma figura quase decorativa, fazendo-se ouvir raramente. Ainda ao fundo, o baterista Karl-Oluf Wenneberg ajuda as batidas eletrônicas a adquirir um pouco de vida. Ao fundo, como faz a maioria das bandas pop da atualidade, um telão mostra imagens relativas à música do momento. (Fonte: Adaptado do Globo).

6 comentários:

Anônimo disse...

Caraca, ví esses caras em Sampa ...sei lá, tipo, 83, 84..rsrsrs

Velhoooooooooooooooo!!

Tudo ok com vcs aí na chuvarada?

bjk twtw

Tw

Terapia disse...

Sobrevivendo à chuvarada, tw. Hoje, além da chuva, estou fazendo um curso na Cinelândia, no lugar do protesto dos royalties. Só emoção, rs. ..Bjs amigão, saudade de vc.

Na Estrada... disse...

Show Bom:

=> Vocalista muito bom (Pergunto: Calça branca e colete prateado?);

=> Guitarrista medíocre em todos os sentidos (até usou aquele violão sem "corpo"/sem som muito usado por pagodeiros ("falaí" "Fábio Mastigaí"!!);

=> Tecladista fraco querendo aparecer mais que o vocalista no show, o cara correu o palco o tempo todo (mesmo com seu teclado parado), foi no microfone do vocalista diversas vezes e era o único que arranhava no Português;

=> Tecladista/Baixista sideman (músico contratado) muito bom (melhor da banda);

=> Baterista sideman (músico contratado) bom, mas com a tarefa facílima de tocar "em cima" da bateria eletrônica (Pergunta: Qual o propósito de um bumbo medida 26 polegadas para um sonzinho tão eletrônico? Cadê os microfones nos pratos, não dava para ouvir nada dos pratos?).

No conjunto o show foi bom, pois acho as músicas boas para o som pretendido.

obs: o "estagiário norueguês" que preparou o "POWERPOINT" das projeções no telão digital no fundo do palco é muito talentoso....rs (Pergunta: Qual o propósito da projeção do Lagarto comendo um inseto?)

Beijo na dona deste Blog.

TC disse...

Só tenho um comentário a fazer: eu gostei da calça branca, rs. Vc é músico e pode usar. Mas só nessas ocasiões, rs.

Sergião disse...

Alexandre,

excelente resenha
mas se usar a calça branca vai ter que colocar o colete prateado tbem...rsrsrs

abs casal, bom finde

Terapia Coletiva disse...

Pra quem quiser ver um bom show do A-HA, vale assistir o dvd "A-HA Live at Vallhall- Homecoming".